Mercado de Trabalho: como manter o currículo e o LinkedIn atrativos

Atualizado: 22 de jun.

Especialista em carreiras dá dicas essenciais para aumentar as chances no processo seletivo

Apesar de o currículo tradicional não ser mais o único caminho para conectar empresas e candidatos, ele continua sendo visto pelos recrutadores como um documento chamariz. Por isso, ter um currículo preenchido de maneira assertiva e manter um perfil completo e atualizado no LinkedIn são ações fundamentais para aumentar as chances de ser chamado para uma entrevista de emprego.


Quem faz o alerta é a mentora de carreira e liderança, Carol Ribeiro Guerra, da POP RH, empresa especializada em recursos humanos. Segundo ela, o objetivo é o ponto-chave do currículo. Essa seção deve ser preenchida de forma sucinta com o nome da vaga e área em que o candidato deseja atuar. Na hora de apresentar as experiências, é adequado selecionar as mais recentes, indicar o cargo de cada uma, o nome da empresa, o mês e o ano de entrada e saída e descrever quais eram as atribuições.


“É sempre importante lembrar: menos é mais. Não há necessidade de exagerar na quantidade de informações. Ainda vemos currículos com o endereço completo ou número de documento, como RG ou CPF. Os selecionadores não precisam de dados como esses para dar andamento ao processo seletivo”, salientou.


Quanto ao LinkedIn, a especialista chama a atenção para a importância de acertar no preenchimento dos dados para que o perfil expresse o objetivo da carreira e entre no radar dos recrutadores. Da foto de perfil à imagem de capa e título, tudo é analisado. Se a pessoa estiver em busca de recolocação, por exemplo, é válido utilizar o selo “Open to Work”.


“O LinkedIn é uma vitrine tanto paras as empresas, que acompanham as movimentações dos profissionais, como para as pessoas que acompanham as empresas em que gostariam de trabalhar. Quem não é visto não é lembrado, por isso é fundamental manter o LinkedIn em movimento da forma correta, como uma rede social profissional”, pontuou.


Com tantas transformações no mundo do recrutamento, a competência mais valorizada também mudou. De acordo com Carol, o cenário da pandemia da Covid-19 tornou o perfil autogerenciável um dos mais desejados pelas empresas, sobretudo as que mantém as operações no formato home office ou híbrido. “É uma das competências que estão em alta, junto com a resiliência, que é a característica de você se adaptar às situações repentinas do dia a dia. Então, além de saber como se apresentar por meio do currículo e o LinkedIn, é também importante buscar se adaptar a essas competências”, finalizou.


A mentora de carreira e liderança de Pindamonhangaba, Carol Ribeiro Guerra, está à disposição para conceder entrevistas e dar mais detalhes sobre a importância de um currículo e LinkedIn atrativos.

0 comentário